terça-feira, 29 de setembro de 2009

Mas o meu estágio também teve tesourinhos...

* Sabe a sua data de nascimento? Eu sei lá! Eu ainda era tão pequenina quando nasci! (87 anos)

* (falando com um rapaz) Divirta-se agora, porque depois, em chegando a velho... (encolhe os ombros) ... murcha! (92 anos)

* Eu já sou velha, mas não sou maluca (...) Os malucos não sabem o que dizem, tenham 10 ou 100 anos! (91 anos)

* Oh menina, venha-me deitar, que já estou a dormir! (91 anos)

* (No dia de aniversário) Apague as velas! Bah! Quem as acendeu, que as apague! (88 anos)

* (referindo-se ao jogo entre o FCP e o Man. United, dia 15 de Abril deste ano) O Ronaldo marcou... macaco... haviam de lhe furar o cu! (92 anos)

* Você come muito pouco... Não come o suficiente... (...) Eu vou comer! Muito ou pouco? O tal suficiente! (91 anos)

* Já não posso andar. Porquê? Porque tenho os sapatos calçados. (91 anos)

* Ai meu Deus do Céu! Agora, já não há Céu. Não? E Inferno? Inferno há. E Céu também! Olhe, por exemplo, a D. Céu! (91 anos)

* Mas parece que as idades agora já não são como dantes... Agora, são mais pequenas (...) Quem antes tinha 50 anos, agora tem 40! (91 anos)

* Para que serve isto? São exercícios para treinar a memória e atenção. A "atenção"? Mas não me mediu a tensão! (84 anos)

* Sabe quem são os ricos? São aqueles que comem, comem, comem e não dão nada a ninguém... Veja lá, que riqueza!... (91 anos)

* Olhe menina, eu só lhe digo uma coisa: é que hoje em dia já não se podem dizer as verdades! (91 anos)

* Eu não gosto nem nunca gostei de Mirandela!Não diga isso! Olhe que eu nasci em Mirandela! Nasceu em Mirandela? E eu em Bragança. Mas digo-lhe uma coisa: estejamos em Mirandela ou em Bragança morremos na mesma! Por isso, tanto faz. (91 anos)

* Não podemos dizer que não queremos morrer! A não ser quando estamos muito zangados. Mas, depois, vem a verdade, que todos morremos. Não podemos dizer que não queremos! (91 anos)

* Ouvi dizer que a senhora fazia arroz doce sem arroz.. Arroz doce sem arroz?! Olhe: vou-lhe dizer uma coisa. Eu nunca fiz nem nunca vi fazer isso. Mas também não deve ser muito difícil: não há arroz? Põe-se-lhe água! (87 anos)

* Não sabe a idade do seu marido? Eu não. Nunca lhe perguntei! Então, tantos anos casada com ele, e nunca lhe perguntou a idade?! Não. Para quê? Se fosse novo, era para me deixar por uma rapariga mais nova; se fosse velho, era para eu o deixar a ele... (91 anos)

9 comentários:

Bi disse...

Lindo :)
Isto faz-me lembrar as minhas lindas que ligam pra rádio a pedir música.
Enternecedor...

A mais velha disse...

Bi, também deves receber cada resposta, às vezes!... :) ainda é o que vai animando a monotonia do trabalhito... :)

im disse...

Do melhor mesmo...os velhotes têm lapsos deliciosos...e têm a vantagem de já não se terem de preocupar com o que dizem e vai dai dizem tudo o que pensam!

Beijos

Cinderela disse...

Cada vez temo mais a velhice...

A mais velha disse...

im, de facto havia alguns idosos que tinham uma lógica muito própria e uma maneira de ver a vida única... :)

Cinderela, há que ter em atenção que a maior parte destas pessoas sofriam de Alzheimer ou outras demências...

Bells disse...

hahahahahahaha
Frases muito sábias desses jovens de 80/90 anos

beijinho

A mais velha disse...

Bells, sem dúvida que sim! :)

A mais nova disse...

bem bem, isso foi tudo de cabeça ou escreveste-as?? tou-te a imaginar a andar la pelo meio dos velhotes com um bloco e caneta na mão, pronta para apanhar mais uma pérola!! (:

A mais velha disse...

hehe não, mas ia apontar assim que apanhava uma! :)