quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Transportes públicos - a saga IV

Desta vez até foi antes de entrar no transporte! Chovia que se fartava, e o raio do homem-dos-bilhetes enfiado na paragem com 3 (3!!!) filas de pessoas à frente, todas apertadinhas pa caberem no coberto, na conversa com outro homem qualquer e eu ali meio à chuva meio dentro do coberto, com a nota de 10 na mão à espera que o raio do senhor decidisse cumprir as suas funções...
Melhor fez uma senhora, depois de eu ja ter o meu bilhetinho enfiado no bolso das calças, que mal chegou à paragem gritou la para dentro: "Ó senhor-dos-bilhetes, venha cá que aí num chego!"

A mesma mulher foi o caminho todo até Vila Real em pé, no corredor do autocarro, a falar com um casal amigo, de onde destaco o seguinte:
"- Quem o António? Ui, esse já não existe!
- Ah! Morreu??!"
- Não, já não trabalha..."

1 comentário:

Pereska disse...

LOOOOL infelizmente neste país quem já nao desconta para o estado nao é considerado ninguém... Mas ainda me choca mais, que se um jovem de 18 anos for para o fundo de desemprego, dependendo do ordenado, pode estar a receber 200 ou 500 ou 700 euros para continuar a nao fazer nada. Um reformado que descontou a vida inteira pouco mais de 200 recebe...Enfim, desabafos!